Todos os artigos Veja Florença passo a passo

Veja Florença passo a passo

Prepare o seu calçado de caminhada e explore as ruas.

Nneya Richards
Por Nneya Richards19/06/2023 7 minutos de leitura
Ponte Vecchio, uma ponte histórica sobre o rio Arno, enquanto o sol se põe
A vista sobre o Arno até à Ponte Vecchio.
Imagem: Tripadvisor

Tudo em Florença é lindo. Caminhe em qualquer lado e irá deparar-se com um palácio renascentista ou com uma vista deslumbrante sobre o Arno. É algo de que os florentinos se orgulham profundamente e, apesar de todos os turistas (e são muitos), vale muito a pena explorar. Sei porque, felizmente para mim, sou casada com um italiano e venho cá muitas vezes.

A cidade é compacta e muito fácil de percorrer a pé (o centro histórico da cidade nem sequer permite carros). Nos meus passeios pela cidade, descobri imensos grandes achados, desde os escondidos aos icónicos. Por isso, calce os seus mocassins de couro da Toscana (afinal, este é o lar de marcas como a Ferragamo e a Gucci) e vamos passear.

Caminhada 1: pontos de referência icónicos e comida de destaque

Perfumes e sabonetes bem arrumados na Officina Profumo-Farmaceutica di Santa Maria Novella
Officina Profumo-Farmaceutica di Santa Maria Novella
Imagem: Tripadvisor

As suas paragens

Tempo total de caminhada: 3 horas, ritmo lento

1. Primeiro: espreitar por detrás da fachada de mármore elaborada da Basílica de Santa Maria Novella. Esta foi a primeira grande igreja da cidade (concluída em 1360!), mas, confie em mim, o que realmente procura aqui é a Officina Profumo-Farmaceutica di Santa Maria Novella, mesmo ao virar da esquina. É a farmácia mais antiga do mundo e tem produtos de beleza feitos a partir de fórmulas antigas criadas por frades dominicanos. (Sou obcecada por produtos indispensáveis, como as saquetas de potpourri feitas de ervas e flores colhidas nas colinas da Toscana.)

2. A partir da basílica, siga pela Via Vecchietti até à loja de roupa Flow Store, instalada num edifício do século XIII, claro. Kim e Kanye colocaram-na no mapa, mas os meros mortais podem comprar marcas italianas emergentes, como a fabricante de calçado Gianna Meliani e a designer de roupa feminina Jeija, bem como livros e acessórios vintage. A família Pecchioli, proprietária da Flow, é apelidada de Médicis da moda e também tem uma loja concetual moderna denominada Gerard ao virar da esquina.

O que os viajantes dizem: “A Officina Profumo-Farmaceutica di Santa Maria Novella remonta a 1221 em Florença e tem uma história interessante. Além dos produtos, que cheiram maravilhosamente, pode encontrar aqui ferramentas antigas utilizadas no fabrico de perfumes e outros produtos cosméticos.”—@mirunavrn

3. Se gosta de moda, vai adorar a minha próxima paragem: o Gucci Garden, que tem peças de edição especial que não estão disponíveis em mais nenhum lugar do mundo. É também a casa do restaurante de 50 lugares Gucci Osteria da Massimo Bottura. Esta é uma das reservas mais cobiçadas da cidade e serve o famoso prato “Tortellini Walking on Broth”, mas fica o meu conselho: guarde o seu apetite para um dos meus locais favoritos (mais sobre isso mais tarde).

O Duomo sob um céu azul.
O Duomo
Imagem: Tripadvisor

4. Caminhe para norte em direção à minha paragem obrigatória para beber café, La Ménagère, passando por outro ícone de Florença: a Catedral de Santa Maria del Fiore (já sabe qual é). A Catedral, juntamente com o seu campanário de mármore, o Campanile di Giotto, tem um aspeto tão intrincado e delicado como um cartão de papel pop-up. Uma sugestão: as filas para entrar são impressionantes, por isso, se quiser ver o Duomo e a sua cúpula, certifique-se de que compra antecipadamente bilhetes sem filas.

5. O La Ménagère não é apenas um café, vende designs florais deslumbrantes e também tem música ao vivo – tem um ambiente próprio. Beba um cappuccino ou o meu cocktail preferido: Agave Punch, uma mistura cremosa à base de tequila. Se gosta de mercados, vai gostar do Mercato di San Lorenzo nas proximidades, com a sua comida de rua, floristas, queijeiros e vinicultores distribuídos por dois pisos. Este costumava ser o local para comprar couro florentino, mas tenha cuidado com as falsificações. A minha fonte de confiança é uma pequena banca no mercado chamada Giorgio 1966 Leather Factory.

6. Ainda bem que guardou o apetite: o meu local de eleição para almoçar, o Cibrèo Caffè, fica apenas a 15 minutos a pé. Arranje uma mesa no exterior e peça o cibrèo excecional, uma receita rústica de frango toscano cozinhado com um ovo que Catarina de Médici adorava.

O que os viajantes dizem: “Situados na periferia do centro da cidade, o [Cibrèo Caffè] e [o] restaurante adjacente com o mesmo nome servem a vizinhança local e, consequentemente, têm um ambiente mais amigável e simples. Tal como a maioria dos locais italianos, este café não se move à velocidade americana, por isso, se isso for um requisito, deve procurar outro local.”—@scottkH9606RD

7. O mercado mais antigo de Florença, o Mercato di Sant'Ambrogio, fica mesmo ao virar da esquina (tudo se pode fazer a pé nesta cidade) e adoro ir lá para observar as pessoas. Também é divertido aprender tudo sobre a comida italiana com os vendedores tagarelas (e aqui está a boa notícia: os viajantes podem sobreviver mesmo falando pouco ou nenhum italiano).

8. Dedique alguns momentos para passar pela Basílica de Santa Croce e, em seguida, dirija-se à loja concetual Société Anonyme, onde poderá encontrar novas marcas interessantes de toda a Europa, como a Closed Official (uma empresa alemã de ganga artesanal) e Henrik Vibskov (um estilista, artista, curador e músico dinamarquês).

9. Termine o dia com uma experiência verdadeiramente florentina: o Teatro del Sale, onde pode experimentar pratos do Cibrèo (do outro lado da rua) e ver peças de teatro, comediantes e músicos de qualidade, desde guitarristas de jazz a um dos melhores tocadores de harmónica de Itália.

Escolha do hotel: sou grande fã do Four Seasons porque tem o jardim mais mágico, perfeito para um aperitivo no final do dia (mesmo que não seja cliente). Outro grande (e mais económico) favorito na zona é o NH Collection Firenze Palazzo Gaddi. O seu bar no terraço Palazzo Gaddi tem uma perspetiva deslumbrante da cidade e da famosa cúpula de Brunelleschi.

Caminhada 2: história e intriga: o Corredor Vasariano

Os visitantes aproximam-se de um arco alto e antigo que representa o Corredor Vasariano
Corredor Vasariano
Imagem: Tripadvisor

Com apenas um pouco mais de 800 metros de comprimento, o Corredor Vasariano é um dos passeios mais exclusivos de Florença, repleto de história e intriga. Está encerrado desde 2016, mas há boas notícias: pode fazer uma visita privada com uma empresa como a All Around Florence e recomendo-a vivamente. (Há rumores de que, algures em 2023, o Corredor Vasariano reabrirá ao público de terça a domingo.)

As suas paragens

Tempo total de caminhada: 2 horas, ritmo lento

1. A maioria dos viajantes começa a sua visita na Galeria Uffizi, mas a entrada oficial (e a melhor) para o Corredor Vasariano é no Palazzo Vecchio, a câmara municipal medieval que é agora um museu. Uma pequena ponte liga o Palazzo Vecchio ao Uffizi, onde se passa por uma porta privada e se entra numa passagem elevada com todos os mestres, de Rembrandt a Reubens.

2. O Vasari leva-o ao longo do rio Arno sobre o famoso Lungarno degli Archibusieri. Vire à esquerda e atravessará a Ponte Vecchio, literalmente por cima das lojas de ouro que atravessam a ponte. (Isto é que é uma perspetiva panorâmica.) Não deixe de visitar a Torre Mannelli, que oferece uma panorâmica espetacular para tirar fotografias do Arno e da cidade.

Os viajantes dizem: “[A Ponte Vecchio está] cheia de gente, claro! Mas caminhe ao longo do rio em direção à ponte para tirar algumas fotografias e ter uma vista maravilhosa desta ponte mais famosa. Costumava ser um mercado de peixe, onde os pescadores entregavam o peixe às pequenas lojas ao longo da ponte. Agora, todas elas são joalharias bastante caras. Mas as vistas são fantásticas!”—@Tracy L

3. Depois de atravessar a Ponte Vecchio, entre na Igreja de Santa Felicita, onde os Médicis costumavam assistir à missa privada. Há uma pequena capela no interior, desenhada por Brunelleschi, que vale a pena espreitar.

4. O corredor termina oficialmente no Palazzo Pitti, mas, em alternativa, saia nos Jardins de Boboli. Este é um dos poucos jardins de Florença e é deslumbrante. Relaxe um pouco, mas certifique-se de que tem água, uma vez que o verão é muito quente. Para o almoço, prefiro o vizinho Olivia, um pequeno bistrô que serve produtos diretamente da quinta para a mesa e utiliza azeite produzido na quinta Frantoio di Santa Téa dos proprietários.

Escolha do hotel: o Corredor Vasari encaminha os visitantes diretamente através do Palazzo Guicciardini, que foi transformado num hotel boutique com frescos por todo o lado. Os quartos podem ser um pouco barulhentos, mas o seu enorme tamanho compensa.

Caminhada 3: Oltrarno, fora dos circuitos habituais

Uma escultura da crucificação de Cristo pendurada no meio de uma sala azul com outros símbolos religiosos nas paredes
O museu Stefano Bardini
Imagem: Tripadvisor

Durante décadas, os viajantes atravessavam o rio Arno apenas para explorar os Jardins de Boboli ou o Palazzo Pitti e regressavam rapidamente à outra margem. Agora, o bairro de Oltrarno, que significa literalmente “o outro lado do Arno”, tornou-se o quartiere da moda da cidade. Este é o cenário real: os habitantes vivem a sua vida quotidiana e encontrará imensas oficinas de artesanato e pequenos bares e restaurantes em belíssimos edifícios renascentistas.

As suas paragens

Tempo total de caminhada: 3 horas, ritmo lento

1. Primeira paragem: Dolcissima, a minha pastelaria favorita e uma instituição consagrada de Oltrarno. O meu pedido preferido é o cantuccini (semelhante a um biscotti) com um copo de vin santo, um vinho de sobremesa toscano.

2. Percorra a Costa San Giorgio, uma rua calcetada estreita, e dirija-se para o Museu Bardini. A maioria dos visitantes não visita este local pouco conhecido, mas faz-me lembrar o Frick, em Nova Iorque, e o Museu Isabella Stewart Gardner, em Boston, repleto de coleções ecléticas de tudo, desde tapetes a uma sala cheia de Madonnas. Bónus: nunca há fila para entrar e o jardim antigo tem uma das melhores vistas da cidade.

O que os viajantes dizem: “A Piazza Michelangelo, que também tem uma vista fantástica sobre Florença, está muitas vezes cheia de turistas. A Villa Bardini é um local mais romântico que permite admirar Florença de uma forma mais intimista! Belas ruelas e terraços.”@dt_mon

3. Prepare-se para uma caminhada íngreme de 15 minutos até ao Forte Belvedere para desfrutar de outra vista incrível da cidade. (Tenha em atenção que o Forte Belvedere está atualmente encerrado ao público, mas prevê-se que abra no verão de 2023.) E, se quiser mais vistas panorâmicas, dirija-se à Piazzale Michelangelo. O Arno, a basílica, tudo é perfeito para tirar fotografias nesta praça neoclássica com uma réplica gigante do David de Miguel Ângelo no centro. O meu conselho: vá ao pôr do sol quando a maior parte dos autocarros de excursão tiver desaparecido.

Florença da Piazzale Michelangelo
Florença da Piazzale Michelangelo
Imagem: Tripadvisor

4. Está na hora do aperitivo. Regresse à zona do Santo Spirito e arranje uma mesa na estufa do Le Serre Torrigiani. A bebida perfeita para este cenário: o cocktail Basilico, feito com mescal e bergamota com infusão de manjericão.

5. Para o jantar, dois dos meus locais favoritos para comer massa com cinghiale (um ragu de javali toscano) e um bife fiorentina (ambos obrigatórios se gostar de carne) são o Angiolino Ai 13 Arrosti e o Trattoria del Carmine em San Frediano. Pode sempre comer no interior, mas eu recomendo uma das mesas que se estendem até à Piazza del Carmine.

Uma sugestão: se estiver a passear num domingo, está com sorte: a Piazza Santo Spirito transforma-se num mercado repleto de mobiliário antigo único. (E não se preocupe com o facto de ter de carregar tudo no avião: os vendedores estão preparados para enviar as coisas para casa, mas lembre-se de que não é barato.)

Escolha do hotel: se preferir ficar em Oltrarno, mais calmo, o Palazzo Guadagni é a sua melhor aposta. Só o bar com jardim Loggia Rooftop já vale a estadia e é o local ideal para apreciar um pôr do sol florentino depois de um dia de exploração.