Todos os artigos Um itinerário de 7 dias para percorrer a icónica estrada circular da Islândia

Um itinerário de 7 dias para percorrer a icónica estrada circular da Islândia

Um homem na praia de areia preta Reynisfjara, Islândia
Imagem: Joshua Earle / Unsplash
Jaclynn Seah
Por Jaclynn Seah12/12/2022 7 minutos de leitura

Tem uma semana para desfrutar das melhores vistas que a Islândia tem para oferecer? Uma forma popular de explorar a Islândia é pela estrada circular, um circuito de 1333 quilómetros à volta do país que liga a maioria das principais cidades da Islândia. Veja o nosso itinerário de 7 dias pela estrada circular, bem como recomendações sobre como conduzir e o que ver ao longo do caminho.

Se vai voar para o Aeroporto de Keflavík na Península de Reykjanes, existem muitas opções de aluguer de automóveis a partir do Aeroporto de Keflavík ou da capital Reiquiavique nas proximidades.

Recomendamos que comece logo a sua viagem de carro e deixe Reiquiavique para o fim, pois podem ocorrer atrasos pelo caminho. Este itinerário dirige-se primeiro para sul, mas pode optar por explorar o norte primeiro, consoante a sua preferência.

Se preferir não conduzir, pode optar por uma excursão guiada pela estrada circular. Vai evitar o transtorno do planeamento, mas terá menos flexibilidade em termos de horário.

Dia 1: Círculo Dourado, costa sul

Parque Nacional Þingvellir na Islândia
Imagem: Terri T / Tripadvisor

Comece a sua viagem em grande no famoso Círculo Dourado. O Parque Nacional Þingvellir é um parque geológico declarado Património Mundial da UNESCO onde é possível ver a divisão entre as placas norte-americanas e eurasiáticas ou até mesmo praticar mergulho entre elas em Silfra.

A próxima paragem é a área geotérmica de Geysir, no Vale de Haukadalur. Com piscinas térmicas quentes e borbulhantes a toda a volta, o destaque aqui é o géiser Strokkur, que, normalmente, entra em erupção a cada 5-10 minutos. A uma curta distância fica a adequadamente denominada Gullfoss, ou seja, Cataratas Douradas, uma poderosa cascata frequentemente fotografada com um arco-íris sobre ela num dia ensolarado.

Volte para a Rota 1 para apreciar as vistas da costa sul. Pare no Lava Centre em Hvolsvöllur para saber mais sobre a atividade vulcânica e como esta moldou a Islândia. Se não se cansa de quedas de água, pare nas cascatas pitorescas Seljalandsfoss e Skógafoss pelo caminho. Em alternativa, visite os destroços do avião Sólheimasandur ou continue até chegar às falésias de Dyrhólaey, onde pode desfrutar da vista para a praia de areia preta Reynisfjara com as suas colunas basálticas.

Onde ficar: passe a noite na aldeia de Vík í Mýrdal. O Hótel Vík í Mýrdal é um hotel moderno e encantador convenientemente localizado no centro da cidade. Em alternativa, durma no Grand Guesthouse Gardakot, que fica mais perto de Dyrhólaey.

Dia 2: costa sul, Parque Nacional Vatnajökull

Lagoa glacial Jökulsárlón na Islândia
Imagem: Tim A / Tripadvisor

Continue para leste e passará pelo majestoso desfiladeiro Fjaðrárgljúfur com rochas escuras e cobertas de musgo com mais de dois milhões de anos. O campo de lava Eldhraun também é digno de uma paragem, já que é o maior campo de lava do mundo.

O destaque de hoje será explorar os glaciares do Parque Nacional Vatnajökull, lar da maior calota de gelo da Europa. O inverno é uma boa altura para fazer uma excursão pelas grutas de gelo, se lhe apetecer uma aventura. A reserva natural de Skaftafell dentro do parque também oferece alguns trilhos de caminhada excelentes.

Outro ponto imperdível é a lagoa glaciar Jökulsárlón repleta de icebergues. É um ótimo lugar para observar vida selvagem, como andorinhas-do-mar do Ártico e orcas ao largo da costa. Ao longo da costa fica a Praia dos Diamantes, uma praia de areia preta que brilha com pedaços de gelo glaciar.

Onde ficar: Höfn é uma das poucas cidades costeiras ao longo da costa sul e o local perfeito para descansar durante a noite: fique no Fosshotel Vatnajökull ou no Hotel Jokull.

Dia 3: Fiordes do Leste

Fiordes do Leste na Islândia
Imagem: Glen T / Tripadvisor

Troque as planícies pela paisagem dramática dos Fiordes do Leste: a região do leste da Islândia tem muito menos pessoas devido à sua distância da capital Reiquiavique. Preste atenção às renas selvagens que vagueiam por estes lados.

Faça um pequeno desvio até ao cabo de Stokksnes para explorar uma praia de areia preta com a montanha Vestrahorn como pano de fundo. À medida que segue mais para leste, a estrada circular abraça a costa. Visite aldeias costeiras pitorescas como Djúpivogur e Breiðdalsvík antes de seguir a estrada para o interior em direção à sua base para a noite em Egilsstaðir, a maior povoação no leste da Islândia com um aeroporto.

A partir de ​Egilsstaðir, pode fazer uma caminhada na maior floresta nacional da Islândia, Hallormsstaðaskógur, lar de mais de 80 espécies diferentes de árvores, ou tentar encontrar o místico Lagarfljót Wyrm no lago Lagarfljót. Seyðisfjörður é uma aldeia a uma curta distância para leste, conhecida pela sua arte e cultura e por uma encantadora rua arco-íris para tirar fotografias. Apetece-lhe uma aventura? Dirija-se ao remoto Borgarfjordur Eystri, um local de nidificação de papagaios-do-mar bem conhecido no verão, que oferece excelentes caminhadas num ambiente natural imaculado.

Onde ficar: o Gistihusid – Lake Hotel Egilsstaðir permite-lhe desfrutar de uma vista para o lago ao mesmo tempo que fica perto das comodidades da cidade. Se preferir, desfrute do isolamento da floresta no Hotel Hallormsstadur.

Dia 4: nordeste da Islândia, Diamond Circle

Nordeste da Islândia
Imagem: Michel D / Tripadvisor

A região nordeste tem outra famosa rota conhecida como Diamond Circle ao largo da estrada circular. Comece com as ribombantes cascatas de Dettifoss, a cascata mais poderosa da Islândia, seguida de uma caminhada no desfiladeiro Ásbyrgi em forma de ferradura. No litoral, faça uma paragem em Húsavík, a povoação mais antiga da Islândia e o melhor local para observar baleias.

Regresse à estrada circular para explorar o lago Mývatn, uma exuberante área húmida formada a partir da atividade vulcânica há mais de 2000 anos. Há muito para ver aqui: a paisagem extraordinária da área geotérmica de Námajfall, os banhos naturais de Mývatn para um banho quente rodeado pela natureza, as formações de lava de Dimmuborgir que se tornaram famosas como um local de filmagem de A Guerra dos Tronos e o refúgio de aves das pseudocrateras de Skútustaðagígar, no extremo sul.

Onde ficar: descanse durante a noite nos arredores do lago Mývatn, perto dos banhos naturais, para que possa tomar um banho antes de dormir. O Icelandair Hotel Mývatn é um hotel acolhedor e moderno, enquanto o Elda Guesthouse é uma opção mais económica.

Dia 5: noroeste da Islândia – Akureyri, Península de Vatnsnes

Focas em Vatnsnes, Islândia
Imagem: Dextrosa / Tripadvisor

Continue para oeste na estrada circular e pare na magnífica Cascata Goðafoss a caminho de Akureyri, a capital do norte e lar do jardim botânico mais a norte do mundo. Se for inverno, pode fazer-se às pistas de esqui nas proximidades de Hlíðarfjall.

Dirija-se à montanhosa Península de Vatnsnes para ver algumas formações geológicas invulgares: Hvítserkur, na baía de Húnaflói, também é conhecida como o Troll do Noroeste, uma pilha de basalto de 15 metros de altura onde as aves marinhas gostam de nidificar, e Kolugljúfur, um lindo desfiladeiro com uma cascata batizada em nome de uma gigante lendária.

Vatnsnes é também um dos melhores locais para ver focas na Islândia. Reserve uma excursão de observação de focas em Hvammstangi e visite o Icelandic Seal Center perto do porto.

Onde ficar: Hvammstangi tem acomodações económicas de qualidade disponíveis: descubra as pitorescas Casas de campo Hvammstangi perto do parque de campismo ou pondere o Hvammstangi Hostel para uma estadia com uma boa relação qualidade-preço.

Dia 6: Islândia ocidental – Península de Snæfellsnes

Montanha de Kirkjufell na Islândia
Imagem: Michael C / Tripadvisor

Os Fiordes Ocidentais chamam por si, mas o caminho é demasiado longo para percorrer num só dia, por isso sugerimos explorar antes a Península de Snæfellsnes. É apelidada de “Islândia em miniatura” pelas diversas maravilhas naturais encontradas nesta área.

Comece pelo lado norte da península, onde poderá ver um campo de lava com 4000 anos, Berserkjahraun, e, em seguida, tire uma fotografia à montanha mais fotografada da Islândia, a montanha de Kirkjufell com um formato perfeito.

Na ponta ocidental encontra-se Snæfellsjökull, coberto de gelo: o destaque do Parque Nacional de Snaefellsjökull, que oferece vistas espetaculares da baía de Breiðafjörður. A praia de Djúpalónssandur de pedra preta tem formações rochosas costeiras de lava invulgares, juntamente com duas lagoas de água doce. Observe a vista no topo das falésias de basalto de Lóndrangar antes de esticar as pernas numa caminhada na cratera de Eldborg.

Onde ficar: Borgarnes é uma pequena cidade com importância histórica a sul da Península de Snæfellsnes, famosa pelo Settlement Center que documenta a história da Islândia. O B59 Hotel tem uma excelente vista para o fiorde, enquanto o Helgugata Guesthouse oferece um ambiente agradável e acolhedor.

Dia 7: Reykholt, Reiquiavique, Lagoa Azul

 Lagoa Azul em Reiquiavique
Imagem: Russell H / Tripadvisor

Borgarnes fica a cerca de uma hora de carro de Reiquiavique pela estrada circular que passa pelo Fiorde Hvalfjörður e por uma longa ponte, mas se ainda quiser fazer uma visita turística, faça um desvio em direção a Reykholt e veja a mais longa gruta de lava da Islândia em Viðgelmir, ou pare nas cascatas de Hraunfossa e Barnafossa nas proximidades. Na viagem de volta para Reiquiavique encontra-se Glymur, a segunda cascata mais alta da Islândia com 198 metros de altura.

A capital Reiquiavique é a cidade mais movimentada da Islândia com alguma arquitetura icónica, como a igreja de Hallgrimskirkja e a sala de concertos Harpa, e é conhecida pela sua vida noturna vibrante. Antes de ir para o aeroporto, certifique-se de que passa primeiro por Grindavik para mergulhar na famosa Lagoa Azul, a forma perfeita de relaxar os músculos após sete dias intensos de condução pela Islândia.

Dicas de condução na Islândia

Normalmente, a estrada circular é constituída por duas estradas pavimentadas, uma em cada sentido, por isso certifique-se de que não para aleatoriamente no meio da estrada para tirar fotografias. Encoste nas áreas designadas e não conduza fora da estrada para evitar perturbar o ambiente natural. Pode haver algumas estradas não pavimentadas, por isso conduza devagar.

Os condutores na Islândia conduzem no lado direito da estrada. A maioria dos carros alugados não são permitidos nas estradas F (geralmente levam às terras altas), que só devem ser acedidas por veículos todo-o-terreno. Prepare-se para o clima instável da Islândia: os ventos fortes, a areia e as cinzas podem causar danos no carro se não tiver cuidado. Tenha cuidado também com as ovelhas errantes.

Mais artigos semelhantes: